6 de abril de 2015

Divulgando

 

Caras amigas e amigos leitores, hoje lhes trago outro expoente da nossa literatura, o escritor:



Aluísio Tancredo Belo Gonçalves de Azevedo, maranhense natural de São Luís, nasceu em 14 de abril de 1857; além de escritor (romancista, contista e cronista) foi diplomata, jornalista, desenhista e pintor.
Filho do vice-cônsul português David Gonçalves de Azevedo, ainda muito jovem revelou talento para as artes plásticas do desenho e da pintura o que, mais tarde, o introduziu na arte literária. Após a conclusão dos estudos preparatórios, Aluísio, em 1876, se transferiu para a cidade do Rio de Janeiro dando continuidade aos seus estudos na Academia Imperial de Belas-Artes, época em que passou a ser caricaturista de jornais. Porém, com o falecimento do pai, com dificuldades financeiras, em 1878 interrompeu as artes plásticas e retornou ao Maranhão, onde se iniciou na literatura escrevendo e publicando em 1879 “Uma lágrima de mulher” – sua primeira obra.
Já em 1881, diante das crescentes tendências abolicionistas, Aloísio Azevedo, escreveu o romance “O Mulato”, obra que lhe rendeu fama pela forma que desnudou a questão racial com inegável cunho abolicionista, o que lhe tornou conhecido junto à Corte, com isso, com o sucesso da obra por sido considerada como exemplo precursor da escola naturalista na literatura brasileira, ele retornou à Capital Imperial, onde passou a escrever, de forma ininterrupta, romances, contos, crônicas e peças de teatro.
Não obstante, Aluísio, deixou de escrever em 1895 quando foi nomeado Diplomata, indo servir o Brasil em diversos países do mundo.
Sua vastíssima obra compreende:
Romance:
Uma Lágrima de Mulher (1880)
O Mulato (1881)
Mistério da Tijuca ou Girândola de Amores (1882)
Memórias de um Condenado ou A Condessa Vésper (1882)
Casa de Pensão (1884)
Filomena Borges (1884)
O Homem (1887)
O Cortiço (1890)
O Coruja (1890)
A Mortalha de Alzira (1894)
O Livro de uma Sogra (1895)
Contos:
Demônios (1895)
Crônicas:
O Touro Negro.
Peças teatrais:
Os Doidos.
Casa de Orates.
Flor de Lis.
Em Flagrante.
Caboclo.
Um Caso de Adultério.
Venenos que Curam.
República.
Além de “O Mulato” ter sido considerado uma obra inovadora com traços fundamentais do Naturalismo, quer sejam com a influência do meio social e da hereditariedade na formação dos indivíduos ou do fatalismo. Outra obra que se destacou foi “O Cortiço”, por ter sido um dos primeiros romances brasileiros a explorar a homossexualidade. A obra foi de tal importância, que acabou sendo adaptada para ser levada às telas do cinema em 1978.   

Em “O Cortiço”, o autor descreve a ascensão social do comerciante português João Romão, dono de uma venda, uma pedreira e um cortiço, próximo ao sobrado de um patrício endinheirado, o comendador Miranda. A rivalidade entre os dois aumenta à medida que cresce o número de casinhas do cortiço, alugadas, na sua maioria, pelos empregados da pedreira, que também fazem compras na venda de João Romão, que, desse modo passa a enriquecer rapidamente. Com a intenção obsessiva de tornar-se rico, João Romão economiza cada moeda e explora quem quer que seja sempre que tem oportunidade, como o faz com a escrava fugida chamada Bertoleza que o auxilia no trabalho duro e para quem ele forjou um documento de alforria.
O sonho de João Romão é adquirir prestígio social, como seu patrício Miranda. Este, à medida que o vendeiro vai enriquecendo, passa a considerar a possibilidade de oferecer-lhe a mão de sua filha, Zulmira; assim um amigo em comum, Botelho, se faz de intermediário das negociações e tudo fica arranjado. João Romão fica noivo de Zulmira, alcançando assim um patamar mais alto na escala social. O único inconveniente é a escrava Bertoleza, que não aceita ser descartada, para qual Botelho arma um plano: denuncia Bertoleza como escrava fugida a seu verdadeiro dono que vai com a polícia prendê-la. João Romão faz de conta que não sabe de nada e a entrega. Bertoleza percebe que Romão, sem coragem de mandá-la embora ou de matá-la, preparou essa armadilha para devolvê-la ao cativeiro, desesperada, ela se mata.
A narração desses fatos da vida de João Romão entrelaça-se com a narração de vários episódios dos moradores do cortiço, cuja luta pela sobrevivência é dura e cruel. O caso de Jerônimo é exemplar da visão naturalista de Azevedo, Jerônimo é um operário português contratado por João Romão para trabalhar na pedreira, é sério e honesto, casado com Piedade, também portuguesa. Eles têm uma filha adolescente e vivem bem como família. Mas no cortiço, Jerônimo começa a sofrer influência daquele ambiente desregrado então apaixona-se pela mulata Rita Baiana, por ela, mata um rival e abandona a família.
Aluísio Azevedo, foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras, onde ocupou a cadeira de número 4 até o seu falecimento em Buenos Aires – Argentina no dia 21 de janeiro de 1913.
Em 1918, por iniciativa do escritor Coelho Neto, seus restos mortais foram transladados para São Luís, onde repousam definitivamente.
* * *
Aos que se interessarem, deixo o site no qual poderão baixar algumas das obras do grande escritor:
Abraços a todos, até a próxima e boa leitura.
______________________________________

23 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Muito bem

Sempre com belas obras poéticas. Amei

Beijinhos e uma excelente semana

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

ॐ Shirley ॐ disse...

Que bom, Viviani, você divulgar esses nomes, pois, ou sabemos quase nada sobre eles ou esquecemos o que sabíamos. Muito bom.
Beijos!

António Jesus Batalha disse...

Passei para desejar uma boa semana, gostei a forma como está a homenagear esses grandes escritores, ainda que eu não os conheça nem as suas obras mas é bom nos lembrar-mo-nos de quem sabe alguma coisa e que fez história.
Abraço.
Peregrino E Servo.

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Olá Viviani,passei para agradecer sua visita e lhe desejar uma ótima semana.
bjs-Carmen Lúcia.

Graça Pires disse...

Gosto muito desta sua divulgação de autores brasileiros que eu desconheço e que pelo menos fico a saber alguma coisa a respeito deles. Bem haja.
Um beijo

JAIRCLOPES disse...

Li "O cortiço" e considero-o um dos melhores da língua portuguesa. Parabéns JR por mais essa bela tacada.

Lu Nogfer disse...

Olá meu caro Viviani.

Bela divulgação com ótimas dicas de leitura!

Beijos!

Laura Santos disse...

Uma excelente divulgação de um homem multifacetado, porque para além das Letras também tinha esse interesse pelas Artes Plásticas.
Nunca tinha dele ouvido falar, mas curioso que estou farta de ouvir falar n"O Cortiço", e essa obra terei de lê-la!
Obrigada, Viviani, por nos dar a conhecer estes vultos da Literatura.
Tenha uma boa semana.
xx

Arione Torres disse...

Oi amigo, ótima postagem!
Gosto muito do Cortiço!
Abraços e fique com Deus!!

Guaraciaba Perides disse...

Oi, Viviani, obrigada por este belo trabalho de divulgação de nossa literatura...de fato, conhecemos pouco de obras tão importantes...para mim somente algumas obras ligadas ao curso colegial em uma época que ainda se dava importância ao conhecimento humanístico.Lembro-me de ter lido e ficado profundamente impressionada pelo O cortiço...
Um abraço

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde, sempre com boas divulgações, é muito bom passar por aqui.
AG

Gracita disse...

Olá Viviani
Gosto muito das divulgações dos grandes escritores brasileiros e até hoje posso dizer que conheço todos que você já postou aqui. Quando digo conheço é porque já li algumas obras e de Aluisio Azevedo não é diferente. E no meu tempo de menina adolescente líamos muito na escola o que hoje raramente se faz
Ficou espetacular a condução da sua divulgação
Um carinho abraço meu amigo

Elyane Lacerdda disse...

Amo essa obra "O CORTIÇO", quando inicia o naturalismo!
fantástico e incomparável!
lindo post,amigo!
li várias vezes essa obra!
bjus no coração!
Uma semana iluminada!
http://www.elianedelacerda.com

lua singular disse...

Oi Viviani
De todos os livros que li quando jovem , o cortiço foi o que mais gostei. Eu era normalista quando o li.
Beijos

Marcia Pimentel disse...

Olá,
Li O Cortiço quando era adolescente e recentemente li de novo. Novamente me apaixonei pela obra.
Um ótimo post.
Bjo

Lilly Silva disse...

Mais uma bela postagem por aqui, com a divulgação de tão belas obras literárias J.R.!
Abraços e boa noite!!!

http://simplesmentelilly.blogspot.com.br/

Isy disse...

Confesso que desconhecia por completo o autor, mas ainda bem que partilhas-te!

Bjxxx

lis disse...

Sempre boas leituras _ já conhecia a obra do escritor ,mas reler é sempre muito agradável
Obrigada por divulgar e proporcionar-nos bons momentos de leitura.
abraços

Daniela Silva disse...

Também não o conhecia...

MARILENE disse...

Um grande nome da literatura. Ainda na época de estudante, tive contato com suas obras. Parabéns pela escolha.

Araan disse...

Bela postagem!
Obrigada pela sua visita carinhosa
Beijos

Clau disse...

Olá Viviani,
Já li alguns livros de Aluísio Azevedo, este grande nome da literatura brasileira.
Gostei do site para baixar os livros dele!
Beijos!

Blogger disse...

Did you know that you can create short urls with Shortest and get cash for every click on your short urls.