27 de agosto de 2012

Divulgando:


Prezada leitora e caro leitor, com muita satisfação, lhes apresento hoje a obra de mais um Autor Parceiro do Vendedor de Ilusão, o autor Carlúcio Bicudo.   



Carlúcio Oliveira Bicudo é carioca, natural da cidade fluminense de Santa Maria de Campos, estado do Rio de Janeiro. Escreve diversas obras infanto-juvenis, algumas publicadas e outras ainda sem previsão. Segundo ele, é admirador de Monteiro Lobato, Jorge Amado, Machado de Assis, Maria Clara Machado, João Ubaldo Ribeiro, Carlos Drummond de Andrade entre outros, e escreve, pois gosta de criar contos, poesias, histórias tristes e também engraçadas.





Histórias de 
Perequê e Açu.

Autor: Carlúcio Bicudo
Editora: Literata 
ISBN: 978-85-63586-19-3
1ª Edição
Ano: 2011
Páginas: 88
Gênero: Romance.




SINOPSE:
Trata-se de uma lenda muito difundida em nosso país. A história se passa na pacata cidade de Paraty. O lendário corpo-seco é um homem que passou da sua infância até a fase adulta, seviciando sua mãe, seus amigos e empregados. Ainda menino, foi amaldiçoado pelo padre da Vila a permanecer com o corpo-seco, feito pau. Era tão ruim, que quando morreu, nem Deus, nem o Diabo e muito menos a mãe terra, quisera o teu corpo. Por isso, ficou a cargo das intempéries.  Sendo o seu corpo jogado em uma toca a beira-mar. Com a presença da brisa salgada que vinha do mar. Seu corpo ficou seco, como um pedaço de pau... Para continuar vivendo aqui na Terra, o corpo-seco, tinha que sugar o sangue de pessoas com índole ruim. Tinha a capacidade de se transformar em homem, mulher e criança, com uma boa aparência. Assim, atraia suas vitimas até a sua toca. Onde sugava suas almas.

MINHA OPINIÃO:

É uma obra extremamente interessante, absorvente, romântica e elucidativa que nos remete ao século 19 mais precisamente ao ano de 1805 ao vilarejo – na época – de Paraty, onde viviam dois meninos que não se largavam, – inseparáveis companheiros: Perequê com seus oito anos, filho de um próspero fazendeiro, e Açu, menino da mesma idade filho de escravos do pai de Perequê.
Obra exemplarmente escrita com narrativas e diálogos que resgatam e esclarecem terminologias peculiares, – termos que até hoje se ouve e muito pouco se sabe das razões e motivos, como: “o santo do pau oco”; a diferença entre “pinga e cachaça”; dialetos da época: “o quinto”; “benzimentos”, além das diversas lendas, a exemplo de “o guardião do Tesouro”; “a mãe do ouro”; “a serpente da Igreja Matriz”; ”a lenda do pão quente” entre outras, enfatizando o trajeto de Paraty através do chamado caminho do ouro até as Minas Gerais.
“Histórias de Perequê e Açu” é uma obra que, além de conter diálogos curiosos, por vezes hilariantes, com narrativas pitorescas, repleta de crendices populares, é uma contribuição cultural pelo resgate de tradições de uma época remota.
Quem ler o livro, tenho certeza, irá se encantar com as peripécias e travessuras desses dois meninos, chegando a imaginá-los em seus relacionamentos tal é a grandeza e clareza do autor nas descritivas dessa história. Convicto disso, eu recomendo o livro, pois é, sem dúvida alguma, uma obra extremamente atraente e de leitura agradável.  
* * *
Espero que tenham sido atraídos pela obra do autor e gostado da divulgação.

Para maiores informações visitem o site do autor clicando AQUI. Para comprar o livro clique na Capa do livro indo à sua página na editora.   
____________________________________________________  

3 comentários:

Mariangela disse...

Oi JR!
Passei para de desejar uma boa tarde, e dizer que achei achei ótima a divulgação de mais um livro. Pelo que li na sinopse e pela sua opinião deve ser muito bom e interessante!
E quanto ao concurso, eu imagino mesmo que deva ter poesias surpreendentes, pois tem muitos escritores ótimos!
E me valerá muito como aprendizado!
Abraço e uma boa semana!
Mariangela

POR TODA MINHA VIDA disse...

Querido Amigo gostei muito !!! Dei num passada pra te deixar um grande abraço Pedro Pugliese

POESIAS SENSUAIS E CONTOS disse...

Passando para deixar aqui o meu boa noite querido poeta. Uma linda e feliz semana. Belo texto historico dessa grandiosa obra.